Powell sai de reunião "construtiva" com Arafat

O secretário de estado dos Estados Unidos Colin Powell disse que teve neste domingo uma reunião "útil e construtiva" com o líder palestino Yasser Arafat, em seu escritório, cercado por tropas israelenses. Após três horas de reunião com Arafat, Powell disse que eles "trocaram várias idéias", que serão novamente debatidas na segunda-feira.Powell afirmou que conversou com o líder palestino sobre "passos que nós poderemos dar para nos mover daqui para a frente", mas não deu detalhes sobre qualquer avanço no acordo para um cessar-fogo.Arafat não saiu de seu escritório para falar com os jornalistas após as três horas de reunião com Powell, em que ambos discutiram a possibilidade de um cessar-fogo que ponha fim a 18 meses de violência entre israelenses e palestinos.A reunião que deveria ter ocorrido no sábado foi adiada devido ao atentado suicida de uma jovem palestina, que ao detonar as bombas que trazia no corpo, causou a sua morte e de mais seis pessoas, mercado Majané Iehuda de Jerusalém, na sexta-feira.No sábado, submetido a fortes pressões internacionais, o presidente palestino Yasser Arafat condenou em um comunicado os atentados cometidos contra civis israelenses ou palestinos. "O presidente Arafat e a direção palestina condenam todos os atentados que tenham por objetivo os civis, sejam israelenes oupalestinos, e o terrorismo praticado por um Estado, por grupos ou indivíduos isolados (...) Nos opomos à violência e ao terrorismo contra civis como meio de obtenção de resultados políticos", rezava o texto lido na televisão oficial palestina.A última vez que Arafat condenou tão energicamente o terrorismo foi em 16 de dezembro.Espera-se que Powell se reúna mais tarde com o primeiro ministro israelense Arie Sharon para informá-lo sobre o teor das conversações com Arafat.Enquanto Powell e Arafat estavam reunidos, o primeiro-ministro Airel Sharon reiterou que seu exército não se retirará de Belém, Jenin, Naplusa e Ramallah, as quatro principais cidades da Cisjordânia ocupadas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.