Powell sugere criação de Estado palestino interino

O secretário de Estado dos EUA, Colin Powell, disse hoje que a administração George W. Bush está conversando com outros países sobre o estabelecimento de um Estado palestino interino e que a proposta será levada a uma conferência de paz para o Oriente Médio a ser realizada nos próximos meses. Discordando profundamente do primeiro-ministro israelense, Ariel Sharon, Powell afirmou que "não concordamos com sua posição de que não deveríamos trabalhar com o presidente (Yasser) Arafat".Outras altas autoridades da administração Bush, como o vice-presidente Dick Cheney e o secretário da Defesa Donald H. Rumsfeld, têm questionado se seu governo deveria continuar tratando Arafat como um parceiro para a paz.Mas Powell, numa entrevista ao jornal em língua árabe Al Hayat foi firme em sua defesa de se negociar com Arafat. Ele chamou a Autoridade Palestina de um governo e Arafat de seu líder eleito. "O presidente (George W. Bush) entende isso", garantiu Powell. Mas Bush tem se mostrado cético em relação à liderança de Arafat e seu papel na proteção de Israel de ataques terroristas."Cabe ao povo palestino determinar quem é seu líder, determinar quem deveria encabeçar seu governo", disse Powell. "E, no momento, Yasser Arafat é o líder do povo palestino".Na Casa Branca, o porta-voz Ari Fleischer reduziu friamente a importância da declaração de Powell, considerando-a uma sugestão que Bush pode ou não adotar. "Esta é uma situação onde pessoas recebem uma variedade de informação, uma variedade de conselhos e se o presidente tiver algo a indicar, ele o fará", explicou Fleischer.O secretário de imprensa da Casa Branca também sugeriu que Powell estaria repetindo sugestões que ele ouviu de líderes estrangeiros, e não divulgando suas próprias conclusões. "O secretário, de tempos em tempos, refletirá sobre sugestões que recebe e fazê-lo publicamente, que é sua prerrogativa, naturalmente", afirmou Fleischer.Na entrevista, Powell endossou exigências árabes pelo "fim da ocupação" por parte de Israel da Cisjordânia e Faixa de Gaza, pela "criação de um Estado chamado Palestina" e pelo "fim da atividade de assentamentos". Ele informou que essa é a política da administração Bush e que o presidente não descartou o estabelecimento de prazos para se chegar a esses objetivos."Penso que quase todos chegaram à conclusão de que existe a necessidade de um passo provisório, ou interino", disse. "A questão é por quanto tempo devemos ficar neste estágio e como chegaremos a uma solução ampla no fim".Powell adiantou que Bush irá concluir hoje consultas com líderes do Oriente Médio, conversando com o ministro do Exterior saudita, e então, "num futuro bem próximo", anunciará como pretende garantir o estabelecimento de um Estado palestino. Bush poderá apresentar seu plano já na próxima semana, disse um alto funcionário da administração, que pediu para não ser identificado.O presidente e Powell têm insistido que a Autoridade Palestina deve sofrer uma reforma. Mas, ao mesmo tempo, Powell tem indicado que o processo de reforma não deve obstruir o estabelecimento de um Estado palestino em território hoje controlado por Israel.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.