Powell visita Índia com fronteira paquistanesa em alerta máximo

No mesmo instante em que o Paquistão punha suas tropas em estado de alerta máximo na fronteira indiana, o secretário de Estado norte-americano, Colin Powell, garantia na capital indiana que os Estados Unidos estão lutando contra todos os terroristas, incluindo os que agem contra a Índia. "Os Estados Unidos e a Índia estão unidos contra o terrorismo e isso inclui também o terrorismo que afeta diretamente a Índia", insistiu o chefe da diplomacia americana. O governo indiano acusa o paquistanês de estimular atentados terroristas na muçulmana Caxemira, com o "claro propósito" de anexar esse território indiano ao Paquistão. Powell chegou a Nova Délhi procedente de Islamabad, a capital paquistanesa, onde obteve do governo do presidente Pervez Musharraf uma renovada promessa de apoio logístico à operação militar que Estados Unidos e Grã-Bretanha levam a cabo contra o milionário saudita Osama bin Laden e a rede terrorista dele, Al-Qaeda, e ao regime afegão do Taleban, que lhes oferece abrigo. Além de avaliar a operação militar no Afeganistão e seus futuros desdobramentos políticos (com uma possível substituição do Taleban por um regime multiétnico e pluripartidário), Powell renovou os apelos do presidente George W. Bush aos dois países para que "parem de brigar" neste momento em que os Estados Unidos estão totalmente empenhados numa luta árdua e prolongada para aniquilar o terror. Washington teme que a crescente tensão entre os dois países provoque uma desestabilização política na Ásia Central e comprometa seus objetivos. Coincidindo com a visita de Powell, as Forças Armadas dos dois países - ambos têm bombas atômicas em seus arsenais - romperam um silêncio de pelo menos dez meses e recomeçaram intensa troca de tiros de artilharia em suas fronteiras, que deixaram mortos e feridos. O governo paquistanês acusou o indiano de concentrar tropas e aviões na fronteira nas últimas horas. "Pusemos nossas forças em estado de alerta máximo, para inibir qualquer aventura (indiana)", disse o porta-voz presidencial paquistanês, general Rachid Qureshi. O governo indiano negou as denúncias paquistanesas. "As queixas deles são um completo absurdo", reagiu o chanceler indiano, Jaswant Singh. "O conflito da Caxemira deve ser resolvido de forma pacífica pelos dois países", insistiu Powell, que entregou ao primeiro-ministro indiano, Atal Behari Vajpayeee, convite do presidente Bush para visitar os Estados Unidos. De Nova Délhi, o secretário de Estado partiu para Xangai a fim de participar da cúpula da Apec. Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.