Prateleiras viram leito no socorro a vítimas norte-coreanas

O principal hospital que está recebendo as vítimas da trágica explosão de trens da semanapassada na Coréia do Norte estava colocando os jovens feridos em cima de prateleiras metálicas devido à escassez de camas e problemas com o equipamento médico, segundo um funcionário deuma agência de ajuda das Nações Unidas que visitou hoje o lugar.No Hospital Provincial de Sinuiju, perto da fronteira com a China, 360 vítimas da explosão estavam sob tratamento neste domingo, informou Tony Banbury, diretor para a Ásia do Programa Mundial de Alimentos da ONU. Disse que mais de 60% das vítimas são crianças.A grande explosão de quinta-feira em Ryongchon,alimentada por petróleo e substâncias químicas, deixou 161 mortos e pelo menos 1.300 feridos, segundo as autoridades. Neste domingo, aumentou em sete o número de mortos, mas não foi esclarecido se a cifra se refere à morte de feridos graves ou se mais cadáveres foram encontrados. As agências de socorro não disseram se esse número poderia aumentar.Enquanto as agências de ajuda avaliavam os danos, 11 caminhões com tendas, cobertores e macarrão instantâneo atravessaram a fronteira chinesa em direção à Coréia do Norte, com parte dos suprimentos calculados em US$ 120 mil oferecidospor Pequim à zona afetada. Coréia do Sul, Japão e Austrália também ofereceram ajuda. Os caminhões dirigidos por agentes da polícia chinesa levavam bandeiras vermelhas e faixas laterais com a inscrição "doações do governo da República Popular da China".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.