Prazo da ONU sobre programa nuclear divide o Irã

O programa nuclear iraniano está dividindo o país. As duas principais forças políticas do Irã - a poderosa linha dura dos clérigos e os reformistas que apóiam o presidente eleito do país - têm visões divergentes a respeito do prazo dado pela ONU para o governo provar que suas atividades nucleares são pacíficas. Partidários do presidente Mohammed Khatami defendem respeito ao prazo dado pela Agência Internacional de Energia Atômica, além de um protocolo adicional ao Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares permitindo novas inspeções no país. Já os partidários da linha dura adotada pelo aiatolá Ali Khamenei defendem ignorar o prazo e a retirada do Irã do tratado. O impasse pode retirar força do presidente moderado Kathami em favor do aiatolá Khamenei, que é líder supremo do Irã e tem a palavra final em assuntos de estado. Forçada pelos Estados Unidos, a Agência Internacional de Energia Atômica deu o prazo de até 31 de outubro para o governo iraniano provar que não produz armas nucleares. Em duas ocasiões em 2003, foram encontrados rastros de urânio enriquecido no país.

Agencia Estado,

27 Setembro 2003 | 11h32

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.