Prazo para remover armas da Síria deve ser extrapolado

O grupo encarregado de supervisionar e desmantelar o programa de armas químicas da Síria provavelmente não conseguirá cumprir com o prazo de terça-feira para remover as armas mais perigosas do país.

AE, Agência Estado

31 de dezembro de 2013 | 00h06

A Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPWC, na sigla em inglês) e a Organização das Nações Unidas (ONU) disseram durante o fim de semana que o limite do fim do ano para remover as armas mais perigosas, que incluem gás mostarda, sarin e VX, provavelmente não será cumprido. Um porta-voz da OPWC confirmou na segunda-feira que a situação não mudou.

A OPCW afirmou que o atraso, que era amplamente esperado, foi devido a uma série de fatores, como a volatilidade nas condições gerais de segurança, que limitaram os movimentos planejados. O mau tempo e desafios logísticos contribuíram para o atraso.

Ainda não há um novo prazo para completar o trabalho, disse o porta-voz, mas a situação será reavaliada em um encontro do quadro executivo da organização em 8 de janeiro. No mesmo dia, o Coordenador Especial da OPWC-ONU Sigrid Kaag dará uma atualização do Conselho de Segurança da ONU sobre o trabalho. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
SíriaArmas QuímicasPrazo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.