Neto Talmeli/PMU
Neto Talmeli/PMU

Pré-candidato em MG também teve cidadania italiana anulada

Romeu Zema Neto, do Partido Novo, é um dos mais de mil brasileiros envolvidos em irregularidades

Leonardo Augusto ESPECIAL PARA O ESTADO  BELO HORIZONTE , O Estado de S.Paulo

27 Fevereiro 2018 | 23h12

O pré-candidato do Partido Novo ao governo de Minas Gerais, Romeu Zema Neto, de 53 anos está entre os 1.118 brasileiros que tiveram cidadania italiana cancelada pela prefeitura de Ospedaletto Lodigiano, no norte da Itália. A suspeita é de fraude na concessão de documentos. 

+ Mais de mil brasileiros têm cidadania italiana anulada após acusação de fraude

No dia 9, o município cancelou a dupla cidadania dos brasileiros por não cumprirem a lei que concede cidadania a estrangeiros. Os brasileiros teriam conseguido a cidadania com base em atestados falsos de residência na cidade. Segundo a investigação, os interessados na cidadania pagavam entre € 3 mil e € 5 mil para um casal de brasileiros donos de uma agência chamada Monza.

+ Na Itália, Silvio Berlusconi reaparece em busca da redenção

A dupla subornava o comissário de polícia e um funcionário da Prefeitura para obter o atestado falso. Os quatro estão presos.

Em nota divulgada na terça, dia27, o pré-candidato do Novo afirma possuir “direito à cidadania italiana pelo critério sanguíneo”. “Para obtê-la, contratei escritório de advocacia especializado em tais questões de requisição de cidadania italiana (...). Sou vítima no caso em questão, já que tive meu procedimento de requisição de cidadania cancelado.”

+ Berlusconi está de volta, desta vez como ‘vovô’ da nação

O advogado paulistano Henry Atique também teve sua cidadania italiana cancelada. “Descobrimos que a advogada que nós contratamos, aparentemente, possuía um esquema de pagar propinas para autoridades públicas na localidade em questão, o que desconhecíamos até então. Assim, acabamos sendo vítimas desta situação”, afirmou Atique ao Estado. “Não fizemos nenhum tipo de manobra ilícita.”

Um comerciante do interior de São Paulo, que pediu para não ter o nome divulgado, também se diz vítima. “Nós pagamos caro por esse serviço e desconhecíamos a possibilidade de que envolvesse o pagamento de propina. Se (o intermediário) fez coisa errada, foi sem o nosso consentimento”. / COLABOROU MURILLO FERRARI

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.