Drew Angerer/AFP
Drew Angerer/AFP

Com críticas a Trump, pré-candidatos democratas à Casa Branca iniciam debates nos EUA

Com a presença de Elizabeth Warren, dez pré-candidatos discutiram questões como a crise migratória na fronteira com o México, o porte de armas e impasse com o Irã

Redação, O Estado de S.Paulo

27 de junho de 2019 | 01h55

MIAMI - Dez pré-candidatos democratas à Casa Branca participaram nesta quarta-feira, 26, em Miami, do seu primeiro debate visando à indicação para a eleição presidencial de 2020 nos Estados Unidos. A senadora Elizabeth Warren e suas políticas progressistas foram a principal atração do evento. 

Warren, que tem mantido um discurso anti-Wall Street, disse que Washington não tem "valentia" para enfrentar os monopólios. "Quando você tem uma economia que vai muito bem para os que têm dinheiro, mas não tão bem para os demais, isto é corrupção pura e simples", disse ao prometer uma "grande mudança estrutural".

Alentada por pesquisas favoráveis que a situam na terceira posição entre os pré-candidatos democratas, a senadora de 70 anos foi o destaque do debate de duas horas em Miami.

Os pré-candidatos discutiram a crise migratória na fronteira com o México, porte de armas, impasse com o Irã e aquecimento global, entre outros temas.

"A maior ameaça é Donald Trump, sem dúvida", respondeu o governador Jay Inslee à pergunta sobre o principal desafio dos Estados Unidos. Os demais candidatos citaram Rússia, Irã, China e o aquecimento global.

A situação dos centros de detenção também dominou o debate, após uma ONG revelar as condições sórdidas em que vivem mais de 250 menores imigrantes no Texas.

As críticas ao governo de Donald Trump foram avivadas pela divulgação, na terça-feira, 25, da foto dos corpos de um pai e sua filha boiando no rio Bravo.

O ex-secretário da Habitação de Barack Obama, Julián Castro, que deseja ser o primeiro presidente hispânico dos Estados Unidos, disse que, se eleito, vai descriminar a entrada de imigrantes e eliminar a política de "tolerância zero" de Trump.

A senadora centrista e ex-procuradora Amy Klobuchar disse estar de acordo com a proposta de Castro, mas defendeu a adoção de medidas para evitar a entrada de traficantes e outros criminosos. "Os imigrantes não prejudicam os Estados Unidos. Eles são os Estados Unidos", destacou Klobuchar.

O senador Cory Booker afirmou que, como presidente, garantirá que o bureau de migração e a patrulha da fronteira não violarão os direitos humanos.

Os candidatos concordaram com a necessidade de se acabar com a separação de famílias.

Nesta quinta-feira, 27, o debate prosseguirá com outros 10 pré-candidatos, entre os quais os favoritos para enfrentar o presidente republicano, Donald Trump: Joe Biden, ex-vice-presidente e atual líder nas pesquisas, e o socialista Bernie Sanders. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.