Pré-candidatos republicanos debatem como evitar recessão nos EUA

Os pré-candidatosrepublicanos à Casa Branca admitiram na quinta-feira que aeconomia norte-americana vive um período de desaceleração, masafirmaram que a recessão pode ser evitada neste ano com umconjunto correto de medidas. Durante um importante debate antes da eleição primária deMichigan, os pré-candidatos também trocaram opiniões sobre comomudar a política em Washington, como resolver a guerra doIraque e como reagir à ameaça do Irã. Todos concordaram que a economia tem problemas, provocadosprincipalmente pelo preço elevado da gasolina e pela crise docrédito imobiliário. "Poderíamos estar rumando para uma recessão? Claro que sim.Temos de rumar para uma recessão? Claro que não", disse oex-governador de Massachusetts Mitt Romney, 60 anos. Vários deles defenderam a manutenção das isenções fiscais edos cortes de gastos públicos promovidos pelo atual governo,mas não se comprometeram com um plano governamental de estímuloeconômico, apoiado por alguns democratas -- e que até opresidente George W. Bush diz estar cogitando. "Acho que isso tem de ser considerado em algum momento se aeconomia pedir, não hoje, talvez um pouco mais tarde", disse oex-senador Fred Thompson, 65 anos. O debate ocorreu em um momento de ascensão do senador JohnMcCain, que volta a se fortalecer na disputa depois da vitóriadesta semana na primária republicana de New Hampshire. Michigan faz na terça-feira que vem a sua préviarepublicana, e no dia 19 é a vez da Carolina do Sul. Aspesquisas indicam liderança de McCain em ambos os Estados.Essas prévias servem para definir o candidato de cada partidopara a disputa presidencial de novembro. Muitos analistas dizem que Romney precisa vencer emMichigan, onde nasceu, para continuar como um candidato viável.Ele retirou anúncios da TV na Carolina do Sul paraconcentrá-los em Michigan, segundo assessores. No debate organizado pelo canal Fox News na noite dequinta-feira, Romney partiu rapidamente para o ataque, acusandoMcCain de abandonar os desempregados. "Sei que tem gente que pensa, como o senador McCain, quedisse, vocês sabem, que alguns empregos estão deixando Michigane não vão voltar. Eu discordo. Vou lutar por cada emprego, (em)Michigan, Carolina do Sul, (em) cada Estado deste país",afirmou Romney, cujo pai na década de 1960 foi governador deMichigan, reduto do setor automobilístico dos EUA. McCain recusou-se a ceder. "Há alguns empregos que não vãovoltar para Michigan. Há alguns empregos que não vão voltarpara a Carolina do Sul. Mas vamos tomar conta deles (osdesempregados). Esse é o nosso trabalho, a nossa obrigação",afirmou. (Com reportagem de Jeremy Pelofsky, Andy Sullivan e JasonSzep na Carolina do Sul)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.