Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Precisamos cuidar da Amazônia, mas sem achar que ela é intocável, diz FHC

Melhor que o Brasil faça suas políticas ambientais do que estrangeiros venham fazer isso, diz ex-presidente em evento sobre a floresta; equilíbrio entre desenvolvimento sustentável e proteção é desafio

Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

22 de abril de 2021 | 18h31

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso defendeu nesta quinta-feira, 22, ser "preciso cuidar da Amazônia, da sua riqueza, sem achar que é intocável". Segundo ele, o desafio será encontrar o equilíbrio entre desenvolvimento econômico e preservação ambiental e é melhor que os brasileiros façam as políticas de proteção "do que os estrangeiros venham para cá fazer isso".

Fernando Henrique participou do evento O mundo de olho na Amazônia: Ameaças e oportunidades para o Brasil, promovido pela fundação que preside. Convidado para fazer a fala de abertura, Fernando Henrique abordou sua relação pessoal com a região Amazônica e apontou os caminhos que poderiam ser feitos para "cuidar" da floresta. 

Nesta semana, ocorre a Cúpula de Líderes sobre o Clima, convocada pelo presidente Joe Biden, com a participação de governantes de 40 países, incluindo o Brasil. Após recordes de desmatamento e incêndios, a política ambiental de Jair Bolsonaro tem sido alvo de críticas no exterior

"Conheci a Amazônia tarde, quando eu já era presidente. Certa vez dormi numa rede no meio da floresta e fiquei muito impressionado com o que vi. A Amazônia provoca forte emoção para mim, pois minha mãe nasceu em Manaus. É claro que não é uma região intocável, mas é muito importante para nós brasileiros", disse.

Ele explicou que gostaria de mostrar seu ponto de vista a partir de suas experiências com a Amazônia. "A primeira sensação é de imensidão. Tudo é numa escala muito grande. Então, entendo que é preciso cuidar da Amazônia, de sua riqueza, mas sem achar que é intocável", comentou.

Sociólogo, professor e pesquisador, ele aposta no desenvolvimento sustentável como saída para a região. "Temos consciência da necessidade de preservar, mas também de preservar a vida. Existe um adensamento populacional dentro daquela mata. É preciso equilíbrio entre a preservação ambiental e o desenvolvimento econômico daquela região", disse.

Presidente da República de 1995 a 2003, FHC reconhece que muitas vezes é "fácil falar, mas difícil fazer". E aponta caminhos para tentar chegar a essa solução. "É importante desenvolver políticas para isso e não destruir o que é fonte de vida. E acho que é melhor que os brasileiros façam essa política do que os estrangeiros venham para cá para fazer isso", concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.