Preço do petróleo cai diante de avanço de rebeldes na capital da Líbia

Analistas preveem queda mais acentuada à medida que futuro político do país fique mais claro.

BBC Brasil, BBC

22 de agosto de 2011 | 08h09

O preço do petróleo caiu nesta segunda-feira em meio à expectativa de que o conflito na Líbia esteja chegando ao fim com a entrada dos rebeldes na capital, Trípoli.

Na abertura do mercado europeu, o preço do petróleo do tipo Brent caiu 1,7% para US$ 106,8 o barril, enquanto a cotação do petróleo leve americano permaneceu estável em US$ 82,9.

Os mercados esperam que um desfecho do conflito líbio restaure as exportações de petróleo do país, aumentando o fornecimento global da commodity.

Segundo analistas, as preocupações com a possibilidade de uma nova crise econômica global também ajudaram a derrubar o preço do petróleo, com uma previsão de demanda menor pelo produto.

Futuro

A Líbia é o 12º maior exportador de petróleo do mundo. Antes do início do conflito, o país produzia 1,6 milhão de barris de petróleo por dia, ou cerca de 2% da produção mundial total.

Analistas dizem que os preços devem cair ainda mais, à medida que os acontecimentos no país deixem mais claro qual será o futuro político da Líbia.

"À medida que o mundo for recebendo a notícia ao acordar, veremos um declínio ainda maior dos preços de petróleo", disse Jonathan Barrat, da Commodity Broking, à BBC.

Outros analistas, porém, afirmam que mesmo com o conflito na Líbia aparentemente próximo do fim, ainda há muita incerteza sobre o quão rapidamente a produção de petróleo do país poderá ser aumentada até os níveis de antes dos confrontos.

"Vai levar muito tempo para eles consertarem as unidades de produção e retomar o rumo", disse à BBC Avtar Sandhu, da Phillip Futures. "O que estamos vendo hoje é mais um movimento de venda psicológico", afirmou.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
líbiapetróleomercado

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.