Preços sobem e começa a faltar comida em Lima

Os preços de alguns produtos sobem e começam a faltar mercadorias e alimentos no terceiro dia de uma greve de caminhoneiros e empresas de transporte de passageiros no Peru. Os primeiros sinais de desabastecimento foram registrados nos mercados de Lima, principalmente com frutas, enquanto as autoridades continuavam negociando com os representantes dos grevistas.Para evitar a falta de mercadorias, a polícia passou a escoltar os caminhões provenientes de diversos pontos do país até Lima. Segundo o ministro da Agricultura, José León, esta medida foi tomada para evitar que veículos sejam atacados no caminho pelos grevistas. Os produtores de leite da cidade de Trujillo se viram obrigados a doar seu produto à população, ante a impossibilidade de transportá-lo até Lima. Eles dizem que terão que jogar milhares de litros de leite em rios caso a greve não chegue ao fim.O ministro da Economia, Pedro Pablo Kuczynski, disse que o governo se reuniu com os grevistas nos últimos três dias e que ontem à noite chegaram à base de um acordo. "Creio que esta greve está acabando", disse Kuczynski à emissora Radioprogramas. "Não seria tão otimista assim neste momento", replicou Alfonso Rivas, presidente da Associação de Proprietários de Caminhões do Peru.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.