Prédio da bolsa de valores do Paquistão é alvo de atentado com mortos

Prédio da bolsa de valores do Paquistão é alvo de atentado com mortos

Grupo atacou edifício com granadas e disparos nesta segunda-feira, 29. Ao menos seis pessoas, entre elas um policial, morreram no ataque, reivindicado por grupo separatista

Redação, O Estado de S. Paulo

29 de junho de 2020 | 04h54

Carachi - Um ataque ao prédio da bolsa de valores do Paquistão deixou ao menos seis pessoas mortas, entre elas um policial, nesta segunda-feira, 29. De acordo com as autoridades, quatro homens armados invadiram o edifício, que fica na cidade de Carachi, e atacaram o local usando armas e granadas. 

De acordo com a polícia local, todos os suspeitos foram mortos pela polícia. O ataque foi reivindicado por um grupo separatista da província de Baluchistão.

Segundo agências internacionais, o ataque teve início quando os criminosos atiraram uma granada contra guardas que estavam do lado de fora do complexo da bolsa de valores e abriram fogo contra um posto de segurança. Houve troca de tiros, que culminou na morte dos quatro atiradores, um policial e outra pessoa que ainda não foi identificada. 

A Bolsa de Valores do Paquistão não suspendeu as negociações durante o ataque, disse seu diretor administrativo, Furrukh Khan. Apesar do incidente, o local é conhecido por ter uma alta zona de segurança, uma vez que abriga a sede de diversos bancos privados. 

Violência separatista

Ao longo dos anos, o Paquistão tem sido atormentado pela violência extremista islâmica. Entretanto, os ataques se tornaram menos frequentes após recentes operações militares contra facções em redutos ao longo da fronteira com o Afeganistão. Contudo, o país também enfrenta insurgentes separatistas nas províncias do Baluchistão e Sindh. 

Em 2018, o mesmo grupo foi responsável por um ataque ao consulado chinês, situado na capital paquistanesa. Neste mês, três explosões no mesmo dia, reivindicadas por um outro grupo separatista, mataram quatro pessoas, incluindo dois soldados na província de Sindh.

 

Tudo o que sabemos sobre:
ataque a tirosPaquistão [Ásia]

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.