Prédios públicos na Ucrânia continuam ocupados

Militantes pró-Rússia que invadiram prédios públicos em mais de dez cidades no leste da Ucrânia declararam hoje que só desocuparão as instalações se o governo interino em Kiev renunciar. Denis Pushilin, porta-voz da autoproclamada República Popular de Donetsk, disse a repórteres que os insurgentes separatistas não reconhecem a legitimidade do governo ucraniano.

Agência Estado

18 de abril de 2014 | 09h13

Ontem, a Ucrânia e a Rússia, com intermediação dos Estados Unidos e União Europeia, chegaram a um acordo para iniciar medidas com o objetivo de reduzir as tensões na fronteira entre os dois países, após mais de um mês de violentos conflitos.

Pushilin, porém, argumenta que o pacto especifica que todos os prédios tomados ilegalmente devem ser desocupados e que, em sua opinião, o governo de Kiev também está ocupando edifícios públicos de forma ilegal.

"O acordo é razoável, mas todos deveriam desocupar os prédios e isso inclui (Arseniy) Yatsenyuk e (Oleksandr) Turchynov", disse Pushilin, referindo-se ao primeiro-ministro e presidente interinos da Ucrânia, respectivamente.

O pacto anunciado ontem determina que todos os grupos paramilitares sejam desarmados e a devolução imediata de todos os prédios públicos ocupados por militantes pró-Moscou no leste da Ucrânia. Segundo a mídia local, no entanto, a ocupação continua. Em Kiev, um grupo direitista de manifestantes pró-Ocidente também ocupa a prefeitura local e um centro cultural.

Mais cedo, Yatsenyuk disse ao Parlamento que o governo elaborou uma lei para anistiar todos os que baixarem armas e desocuparem prédios públicos. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Ucrâniaocupação

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.