Prefeita de Baltimore pede inquérito federal

Após morte de Freddie Gray, pedido é para que Departamento de Justiça apure se polícia local comete violações sistemáticas dos direitos civis

BALTIMORE, EUA, O Estado de S.Paulo

07 de maio de 2015 | 02h04

A prefeita de Baltimore, Stephanie Rawlings-Blake, pediu ontem ao Departamento de Justiça uma investigação sobre eventuais violações dos direitos civis no Departamento de Polícia da cidade para saber se os casos de abusos ou discriminações são sistemáticos.

"Sabemos que em Baltimore o relacionamento entre a polícia e a comunidade continua profundamente conturbado", disse Stephanie numa entrevista coletiva, depois dos protestos contra a morte de Freddie Gray, o jovem negro que foi fatalmente ferido enquanto estava sob a custódia da polícia.

A prefeita falou à nova secretária de Justiça, Loretta E. Lynch, numa reunião fechada na segunda-feira, que pretende pedir uma investigação para apurar se existe um "esquema ou uma prática sistemática" na polícia que resulta em violações dos direitos civis.

Uma porta-voz da Justiça, Dena Iverson, informou ontem que a procuradora recebeu o pedido e "considera cuidadosamente essa opção à luz do que ouviu da polícia, dos funcionários da prefeitura, dos líderes religiosos, da comunidade e da juventude de Baltimore".

O departamento tem ampla discrição para realizar a investigação com a abrangência necessária. Por outro lado, a solicitação da prefeita só aumenta o prestígio político das autoridades de Baltimore. Em algumas cidades, essas investigações levaram o Departamento de Justiça a impor mudanças no policiamento e na supervisão por meio dos tribunais - um grau de investigação ao qual as autoridades locais costumam resistir.

Se o departamento concordar em abrir uma investigação sobre possíveis violações dos direitos civis, ela será realizada separadamente da que apura as circunstâncias da morte de Gray. Nesse caso, os promotores aguardam os resultados da promotoria estadual, podendo acusar os implicados perante a Justiça federal, se considerarem a medida justificada.

A prefeita pediu a funcionários federais que investiguem se o "departamento de polícia adotou um esquema de abordagem, busca ou prisão que viola a 4.ª Emenda" e também os fatores que "contribuem para o uso excessivo da força e de policiamento discriminatório".

Gray, de 25 anos, foi detido no dia 12 de abril, e morreu em razão de graves ferimentos na coluna vertebral uma semana mais tarde. O procurador do Estado de Baltimore moveu ações criminais contra seis policiais declarando que eles não tinham nenhum motivo legítimo para fazê-lo. / NYT

Tudo o que sabemos sobre:
BaltimoreO Estado de S. Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.