Prefeita de Lima sobrevive a referendo revogatório

A prefeita de Lima, Susana Villarán, sobreviveu a um referendo que buscava a revogação de seu mandato, segundo os primeiros resultados divulgados nesta segunda-feira pela Agência Nacional de Processos Eleitorais (Onpe, nas iniciais em espanhol).

AE, Agência Estado

18 de março de 2013 | 17h01

Apurados 40,39% dos votos, o "não" à destituição de Susana Villarán liderava com 615.602 votos; o "sim" à revogação do mandato tinha 577.767 votos.

Pesquisas de boca-de-urna indicam que a prefeita poderá cumprir seu mandato, que se encerra no fim de 2014. Primeira mulher a governar Lima, Susana Villarán assumiu a prefeitura em 2011.

Seus detratores conseguiram assinaturas suficientes para tentar revogar seu mandato nas urnas, em meio a acusações de que ela fazia uma gestão ineficaz e carente de obras de infraestrutura.

Os aliados de Susana, por sua vez, atribuem as críticas às ambições políticas de seus opositores e a uma tentativa de se apoderarem da capital peruana, fonte de importantes recursos econômicos.

No entanto, apesar de manter-se no cargo, a prefeita de esquerda corre o risco de perder um número significativo de integrantes de sua bancada na Câmara dos Vereadores limenha. Segundo o Onpe, porém, a margem entre o "sim" e o "não" à revogação dos mandatos dos vereadores ainda é muito estreita para se determinar se uma nova eleição para a Câmara será necessária. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
PeruLimareferendo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.