EFE
EFE

Prefeito boliviano é preso por permitir festa que propagou covid-19 

Na época da festividade, o governo boliviano havia determinado a suspensão de eventos públicos que reunissem mais de cem pessoas

Redação, O Estado de S.Paulo

07 de abril de 2020 | 19h36

LA PAZ - O prefeito de uma cidade na Bolívia foi preso nesta terça-feira, 7, por permitir uma festa religiosa no mês passado que se tornou o foco de contágio da covid-19, com seis infectados e um morto.

O chefe da polícia de investigações de La Paz, Iván Rojas, informou que o prefeito Tiburcio Choque, da cidade de Patacamaya (ao sul de La Paz), foi acusado "pelos crimes de ataque à saúde pública, perigo de destruição e quebra de deveres". 

Tiburcio foi denunciado pelo Ministério Público por permitir uma festa religiosa de cinco dias (de 12 a 16 de março), na qual participaram cerca de 600 convidados de outras partes do país. 

Na época da festividade, o governo boliviano havia determinado a suspensão de eventos públicos que reunissem mais de cem pessoas.

Patacamaya, com cerca de 23 mil habitantes, foi completamente isolada nesta terça-feira para evitar a disseminação do vírus. 

Para Entender

Coronavírus: veja o que já se sabe sobre a doença

Doença está deixando vítimas na Ásia e já foi diagnosticada em outros continentes; Organização Mundial da Saúde está em alerta para evitar epidemia

Após o festival, uma pessoa morreu (o fotógrafo do evento) e outras seis foram infectadas pelo novo coronavírus, incluindo quatro paramédicos, que foram os primeiros a ter contato com os doentes. 

A Bolívia registra 194 casos da covid-19, entre os quais 14 mortos, e está há mais de duas semanas em quarentena, sem acesso terrestre ou aéreo./AFP 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.