REUTERS/Yves Herman - 28/03/17
REUTERS/Yves Herman - 28/03/17

Prefeito de Londres pede segundo referendo sobre Brexit

Segundo ele, o fracasso do governo May em negociar acordo com Bruxelas estão levando o Reino Unido a um caminho perigoso; premiê descarta possibilidade de segunda consulta popular

O Estado de S.Paulo

18 Setembro 2018 | 02h48

LONDRES - O prefeito de Londres, Sadiq Khan, pediu a realização de um segundo referendo sobre a saída do Reino Unido da União Europeia, processo conhecido como Brexit. Segundo ele, as negociações lideradas pela primeira-ministra Theresa May se tornaram "atoladas em confusões e impasses" e estão levando o país para um caminho perigoso.

"O fracasso do governo - e o grande risco que enfrentamos de um acordo ruim ou acordo nenhum sobre o Brexit - significa que precisamos dar às pessoas uma nova voz e esta é a abordagem certa, e única, que resta ao país", disse Khan, em entrevista ao jornal britânico Observer, na edição deste domingo, 16. "Isso significa votar em qualquer proposta de Brexit firmada pelo governo ou decidir por um 'não-acordo', se isso ocorrer, e também a opção de permanecer na União Europeia." 

A proposta de um segundo referendo continua a ser descartada por May, que sofre críticas sobre sua posição de não enviar a proposta final do Brexit para votação popular. Segundo a premiê, o acordo a ser firmado com Bruxelas só será aceito após votação do Parlamento Britânico.

O Partido Conservador, no entanto, enfrenta resistência interna e pode depender da oposição trabalhista para aprovar o projeto. Para o acordo ser aprovado pela Câmara, são necessários 320 votos, mas 80 parlamentares da sigla de May rejeitam a proposta. 

O Reino Unido precisa fechar o acordo com a União Europeia até o dia 29 de março de 2019, data-limite para a saída definitiva do país. Até o momento, poucos aspectos do divórcio foram definidos e ainda não há uma proposta de saída completa, o que gera insegurança sobre a possibilidade do Reino Unido deixar o bloco europeu sem nenhum tipo de acordo. //REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.