Prefeito de Nova York ordena retirada de áreas baixas

O prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, ordenou nesta sexta-feira a saída de toda a população das áreas mais baixas da cidade diante da aproximação do furacão Irene, que na tarde de hoje perdeu parte de sua força, mas continuava classificado como tempestade de categoria 2 na escala Saffir-Simpson, que vai de 1 a 5.

Agência Estado

26 de agosto de 2011 | 15h40

Segundo o mais recente boletim do Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos, divulgado às 15h de hoje, Irene tem ventos de 161 quilômetros por hora, pouco abaixo do boletim anterior, mas ainda é um furacão de categoria 2.

O sistema seguia em direção ao litoral da Carolina do Norte, aonde deve chegar em algum momento da noite desta sexta-feira. A expectativa é de que a tormenta atinja a região metropolitana de Nova York no domingo como um furacão de categoria 1.

A aproximação do furacão Irene levou a Autoridade de Transporte Metropolitano de Nova York a decidir pela interrupção dos serviços de ônibus, metrô e trem a partir do meio-dia de sábado, anunciou o governador do Estado, Andrew Cuomo. Pontes também podem ser fechadas se os ventos máximos sustentados da tempestade passarem de 96 quilômetros por hora. Hospitais e casas de repouso em algumas regiões foram orientados a fechar.

Os dois aeroportos que atendem à cidade ficam perto de corpos d''água e estão vulneráveis a inundações. Centenas de milhares de nova-iorquinos foram orientados a fazer as malas e se preparar para sair de casa, se necessário. A maior cidade dos EUA não é afetada por um furacão há décadas e um alerta de furacão não era emitido para a região desde o Glória, em 1985.

Já o governador de New Jersey, Chris Christie, alertou os moradores e turistas que é hora de sair da área costeira do sul do Estado. O sistema de trens também será interrompido a partir do meio-dia de sábado. Segundo o governador, está sendo discutida a retirada obrigatória da população das áreas de risco mais elevado.

O Irene se dirige para uma área densamente povoada dos Estados Unidos, que inclui as cidades de Washington, Baltimore, Filadélfia, Nova York e Boston. Pelos menos 65 milhões de pessoas podem ser afetadas.

Mais cedo hoje o presidente dos EUA, Barack Obama, disse que "tudo indica que este será um furacão histórico". "Se você está no caminho desse furacão, precisa tomar precauções agora", disse Obama em mensagem de áudio feita durante suas férias em Martha''s Vineyard. Ele antecipou o fim do descanso, e deve retornar para Washington na noite de hoje.

Os riscos trazidos pelo Irene são muitos: aumento das marés, chuvas torrenciais, inundações-relâmpago e ventos devastadores. Este pode ser o furacão mais forte a atingir a Costa Leste nos últimos sete anos. As informações são da Dow Jones e da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAfuracãoIreneNova York

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.