Prefeito de Nova York tentará mudar lei por 3.º mandato

Bloomberg afirma que cidade passa por 'desafio sem precedentes' e se diz preparado para enfrentar crise

Agências internacionais,

02 de outubro de 2008 | 14h13

O prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, anunciou nesta quinta-feira, 2, que pedirá à Câmara dos Vereadores da cidade que altere a lei local para que ele possa concorrer a um terceiro mandato. Bloomberg alegou que a cidade está diante de "desafios sem precedentes" por causa da atual crise financeira e declarou-se preparado para fazer frente a ela durante os próximos quatro ano.Ele informou que enviará à Câmara projeto de lei para derrubar o limite de dois mandatos para o prefeito e deixar a critério dos nova-iorquinos se ele merece mais um mandato. Atualmente, tanto o prefeito quanto os vereadores não podem exercer mais de dois mandatos consecutivos.   Com essa decisão, Bloomberg passa por cima dos conselhos de três altos assistentes da Prefeitura - Edward Skyler, Patricia E. Harris e Kevin Sheekey - que se opõe ao terceiro mandato. Para eles, qualquer campanha para desafiar os limites da lei poderia prejudicar sua imagem diante dos eleitores americanos e manchar seu forte legado conquistado nos últimos oito anos.   Entre os empresários, porém, a perspectiva de um terceiro mandato de Bloomberg é vista positivamente. Em dezenas de encontros privados e telefonemas nos últimos meses, executivos como o financista Steven Rattner e o executivo-chefe da News Corporation, Rupert Murdoch, incentivaram o prefeito a buscar a reeleição.   Enquanto a economia da cidade sofria ameaças nas últimas duas semanas, o apoio ao terceiro mandato crescia. "Ele tem a confiança da comunidade de negócios e a habilidade executiva para dirigir a cidade", afirmou Stephen M. Ross, executivo-chefe da Related Companies, principal construtora. "É uma boa hora para ele fazer isso. As pessoas estão assustadas."   Eleito prefeito em 2001 depois de se tornar republicano, Bloomberg foi reeleito para um mandato de quatro anos em 2005, mas no ano passado abandonou o partido do presidente George W. Bush e se declarou independente.   (Com The New York Times)  

Tudo o que sabemos sobre:
EUAMichael Bloomberg

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.