Prefeito de Veneza renuncia em meio a escândalo

O prefeito de Veneza, Giorgio Orsoni, renunciou nesta sexta-feira, um dia depois de sair da prisão domiciliar e retomar seu trabalho. Orsoni é suspeito em um inquérito sobre financiamento político ilegal.

Agência Estado

13 de junho de 2014 | 10h49

Orsoni recebeu pouco apoio de sua legenda, o Partido Democrático, desde sua prisão, uma semana atrás. Ele é suspeito em um processo relacionado à construção de barreiras submarinas para proteger Veneza de inundações. Vários vereadores pediram a renúncia do prefeito.

Em coletiva de imprensa, Orsoni disse que há "reações oportunistas e hipócritas" contra ele desde sua detenção, o que inclui pessoas da administração da cidade.

Orsoni, que comanda do Partido Democrata sem nunca ter oficialmente integrado a legenda, disse que não tem ciência de que qualquer doação para sua campanha eleitoral de 2010 foi ilegal. Ele saiu da prisão domiciliar na quinta-feira, depois de aceitar uma pena de quatro meses de prisão, como parte de um acordo judicial. Sentenças curtas raramente são cumpridas na Itália.

O agora ex-prefeito de Veneza está entre as mais de 30 pessoas detidas numa investigação sobre a suspeita de que o consórcio que constrói as barreiras submarinas desviou 25 milhões de euros para contas no exterior para subornar autoridades. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
ItáliaVenezaprefeitorenúncia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.