Ronen Zvulun/Reuters
Ronen Zvulun/Reuters

Prefeito nega suspensão de novas construções em Jerusalém Oriental

Em Washington, Nir Barkat diz não aceitar controle palestino em nenhum setor da cidade

Agência Estado e Associated Press

28 Abril 2010 | 10h52

WASHINGTON - O prefeito de Jerusalém, Nir Barkat, negou na terça-feira, 27, a existência de uma suspensão formal ou informal das construções de moradias em Jerusalém Oriental. Os palestinos querem essa parte da cidade como capital de seu futuro Estado independente.

 

Falando em Washington, Barkat afirmou que as construções prosseguirão, após uma demora na aprovação de projetos por causa da reação ante as críticas americanas aos planos de Israel de construir novas casas, anunciados no mês passado durante uma visita do vice-presidente dos EUA. O prefeito disse não aceitar o controle palestino sobre nenhum setor da cidade. Ele considerou esse tipo de medida um "cavalo de Troia" dos árabes muçulmanos em uma comunidade de maioria judaica.

Barkat falou um dia após vir à tona a notícia atribuída a funcionários de Jerusalém segundo a qual o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, havia congelado as construções para israelenses em Jerusalém Oriental. A suposta suspensão teria o objetivo de reduzir as tensões entre EUA e Israel e possibilitar a retomada das negociações indiretas de paz com os palestinos.

"Não há suspensões, isso não é verdade", disse Barkat. Ele previu um aumento de 800 mil a 1 milhão de habitantes em Jerusalém na próxima década, mantendo a mesma proporção entre judeus e palestinos, de 65% a 35%, respectivamente. O plano contempla mais casas para judeus e árabes em Jerusalém Oriental e isso não mudará, insistiu Barkat.

 

A questão dos assentamentos em Jerusalém Oriental é delicada para as negociações de paz no Oriente Médio. Os palestinos exigem a paralisação total das construções para voltar ao diálogo e reclamam a região da cidade sagrada como capital de seu futuro Estado. Os israelenses, porém, não abrem mão do território, tomado dos árabes na Guerra dos Seis Dias em 1967.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.