Prejuízos de NY podem chegar a US$ 105 bilhões

Um mês depois dos atentados que derrubaram as torres gêmeas do World Trade Center e causaram a morte de milhares de pessoas, a cidade de Nova York ainda calcula o prejuízo. O secretário de finanças da cidade, Alan Hevesi, disse que a conta das perdas e danos a economia da cidade poderá atingir até US$ 105 bilhões. Somente a destruição das torres gêmeas, de edifícios adjacentes, de automóveis e outros bens e propriedades já soma US$ 34 bilhões. Essa conta também inclui os gastos com a remoção de destroços e operações de resgates. Desde o dia 11, a perda de receita de impostos nos cofres municipais soma US$ 1,6 bilhões, o que inclui, por exemplo, uma perda de 33% em impostos gerados pelos hotéis da cidade, muitos dos quais registraram uma queda de 50% na taxa de ocupação. Hevesi estimou que a economia da cidade perderá cerca de US$ 3 bilhões em salários e US$ 1 bilhão em aluguéis, em razão de empresas transferindo seus funcionários para escritórios fora da cidade. Ele também previu que nos próximos dois anos fiscais, a prefeitura deverá registrar uma perda de US$ 162 milhões em imposto de renda pago por nova-iorquinos a prefeitura, outros US$ 195 milhões em impostos sobre propriedades (equivalente ao IPTU), US$ 284 milhões em impostos pagos pelo comércio e outras empresas, e US$ 473 milhões em impostos pagos pelos hotéis. A eliminação de empregos na cidade também atinge estimativas desanimadoras. Segundo estudo da consultoria Fiscal Policy Institute (FPI), o número de empregos perdidos na cidade deverá atingir um total de 108.500 até meados deste mês. Esse número de trabalhadores iriam gerar um valor pago de salário e rendimentos de US$ 6,7 bilhões. O setor financeiro - incluindo aí corretoras, bancos, seguradoras, etc ? é o que mais sofrerá, com uma perda estimada de mais de 20 mil postos de trabalho. A FPI ressalta, no entanto, que parte desses postos de trabalho não será eliminação definitiva de vaga, mas sim transferência para fora de Nova York, precisamente para escritórios de Estados vizinhos, como Nova Jersey e Connecticut. Esse não é o caso da perda de postos de trabalho no varejo, que deverá cortar mais de 12 mil vagas. Os restaurantes, principalmente aqueles próximos à região afetada pelos atentados, deverão cortar 11.900 empregos. O aumento na taxa de desemprego da cidade já está tendo reflexo no mercado imobiliário. Muitas corretoras imobiliárias estão esperando uma queda no preço dos apartamentos e casas da cidade ? um mercado que há muitos anos vinha inflacionado devido, em parte, ao ?boom? da Internet e dos milionários ?ponto.com?. A queda nos preços de apartamentos poderá ficar entre 10% a 20%, segundo informou a assessoria da corretora Coldwell Banker, sendo que os bairros mais afetados serão os da ?baixa? Manhattan, ou seja, próximos ao distrito financeiro e do local onde aconteceu a destruição por conta dos atentados. A Economia Um Mês Depois dos Atentados nos EUA - Índice

Agencia Estado,

11 Outubro 2001 | 10h16

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.