Prejuízos do terremoto na China podem chegar a US$20 bilhões

Governo afirma que mais de 15 mil pessoas morreram e 3,5 milhões de casas foram destruídas

REUTERS

14 de maio de 2008 | 08h18

Os prejuízos do terremoto na China, que matou aproximadamente 15 mil pessoas, soterrou mais de 25 mil e deixou 14 mil desaparecidas, deve passar de US$ 20 bilhões, de acordo com a AIR Worldwide, empresa especializada em análise de desastres. O terremoto que atingiu na segunda-feira a província de Sichuan foi o pior em 32 anos na China, reduzindo muitos prédios da área a montes de entulho.   Veja também: China eleva para quase 15 mil os mortos em terremoto País busca conter danos à imagem  Entenda como acontecem os terremotos  Vídeo com imagens do terremoto  De Pequim, Cláudia Trevisan fala sobre o terremoto O terremoto ocorreu na falha de Longmeng Shan, no faixa sísmica do centro da China, disse a AIR Worldwide, que utiliza dados de propriedades e seguradoras para estimar o prejuízo causado por desastres naturais. A região é propensa a terremotos - houve pelo menos oito deles com magnitude de pelo menos 7,8 nos últimos 500 anos e também uma das áreas mais populosas do mundo, disse a AIR. O terremoto não atingiu diretamente Chengdu, a capital de Sichuan, onde a AIR estima que o total de propriedades valha mais de US$ 115 bilhões, das quais apenas uma pequena porcentagem tem seguro.  A empresa estima que o valor das propriedades em todos os condados de Sichuan custem cerca de US$ 215 bilhões, mas a extensão dos danos vai levar semanas para ser conhecida. O terremoto Diexi, que atingiu a mesma região em 1933 e teve magnitude de 7,5, causou grandes deslizamentos de terra que interrompeu o curso dos rios. Uma barragem quebrou 45 dias depois do tremor, causando mais de 10 mil mortes, disse a AIR.   Segundo a BBC, as autoridades chinesas afirmam que mais de 3,5 milhões de casas foram destruídas pelo terremoto, que atingiu 7,9 pontos na escala Richter e teve seu epicentro no condado de Wenchuan, a cerca de 100 quilômetros da capital da província, Chengdu.

Tudo o que sabemos sobre:
Chinaterremoto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.