Associated Press
Associated Press

Premiê admite derrota e sai da liderança do partido no Japão

Taro Aso reconheceu vitória da oposição nas eleições parlamentares; candidato eleito fala em 'vitória do povo'

Agências internacionais,

30 de agosto de 2009 | 10h43

O primeiro ministro Japonês, Taro Aso, reconheceu a derrota nas eleições deste domingo e anunciou que vai abandonar a presidência do Partido Liberal Democrático (PLD). Aso vai sair da presidência do PLD por sua "responsabilidade na derrota" das eleições, afirmou após o fim do pleito. Para ele, o resultado das eleições é "muito grave" para o PLD e que é preciso aceitar a "resposta" que os eleitores deram nas urnas.

 

Veja também:

link Após 54 anos, frustração pode levar oposição ao poder no Japão

link Candidatos encerram campanha eleitoral no Japão

link Internet é proibida durante campanha eleitoral no Japão  

 

Enquanto isso, o líder do Partido Democrático do Japão (PDJ), Yukio Hatoyana, comemorou a vitória por maioria absoluta. "A vitória é do povo", declarou, depois que as redes de televisão japonesas apontavam para uma vitória da oposição, segundo as pesquisas de boca-de-urna. Hatoyana agradeceu aos eleitores e declarou que as políticas do governo darão "mais ênfase ao povo".

 

 

O partido conservador do Japão sofreu uma derrota esmagadora nas eleições parlamentares. A maior parte dos eleitores votou em favor da oposição de centro-esquerda, que tem prometido reconstruir a economia japonesa e dar nova vida ao país após 54 anos de governo de apenas um partido. O Partido Democrático do Japão (PDJ) deverá obter 300 dos 480 assentos da Câmara Baixa do Parlamento, retirando do poder o Partido Liberal Democrata (PLD), que governa o Japão desde 1955, de acordo com projeções feitas pelas redes de televisão japonesas.

 

Segundo a rede de NHK, que usou projeções baseadas em pesquisas com quase 400 mil eleitores, o PLD deverá obter apenas 100 assentos. Os resultados oficiais devem ser anunciados amanhã. A eleição foi vista como um medidor das frustrações com a pior crise econômica enfrentada pelo Japão desde a Segunda Guerra Mundial e da perda de confiança na capacidade do atual partido governista de lidar com problemas crescentes, como o aumento da dívida nacional e o rápido envelhecimento da população.

 

Como a votação ocorreu até a noite de domingo (horário local), autoridades afirmaram que a participação dos eleitores foi grande, apesar da aproximação de um furacão, o que indica o intenso nível de interesse público que as campanhas eleitorais geraram. A derrota do PLD abrirá caminho para que o PDJ, chefiado por Yukio Hatoyama, remova o primeiro-ministro Taro Aso do poder e estabeleça um novo gabinete, possivelmente nas próximas semanas.

Tudo o que sabemos sobre:
JapãoeleiçãoÁsia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.