AFP PHOTO / POOL / Jeff J Mitchell
AFP PHOTO / POOL / Jeff J Mitchell

May propõe transição de 2 anos após Brexit

Premiê britânica diz que, durante esse período, as relações entre seu país e a UE permaneceriam intactas, para assegurar saída “tranquila e ordenada”

Célia Froufe, Correspondente / Londres , O Estado de S.Paulo

22 Setembro 2017 | 12h24

Determinada a relançar as negociações de saída da União Europeia, a primeira-ministra britânica, Theresa May, defendeu nesta sexta-feira um período de dois anos de transição e prometeu honrar os compromissos financeiros com o bloco.

“Atravessamos um período crítico, mas quando nos unimos podemos alcançar bons resultados”, declarou a premiê em Florença, na Itália, no primeiro discurso sobre o Brexit desde o pronunciado em janeiro, em Londres.

 

Ansiosa para tranquilizar seus parceiros europeus, ela repetiu que, apesar do Brexit, o Reino Unido “não virará as costas para a UE”. “O sucesso das negociações sobre o Brexit é do interesse de todos”, insistiu, acrescentando querer um “futuro melhor” para todos os cidadãos europeus.

Em um ponto-chave de seu discurso, May propôs um período de transição de “cerca de dois anos” após o Brexit, durante o qual as relações entre seu país e a UE permaneceriam intactas, a fim de assegurar uma saída “tranquila e ordenada”.

Este período de ajuste permitiria ao Reino Unido continuar a fazer negócios livremente com o bloco europeu, um ponto exigido por seu ministro das Finanças, Philip Hammond, e empresários, preocupados com as consequências econômicas do Brexit.

 

May deixou claro nesta sexta-feira que seu governo não pretende adotar um modelo de parceria com base nos existentes hoje. Há correntes dentro do governo britânico favoráveis a um acordo mais parecido com o que foi fechado entre o bloco e o Canadá ou com a Suíça. 

“Esta é uma das coisas que eu queria dizer a vocês: nem (um acordo como o da) Noruega, nem Canadá. Quero uma nova relação com a UE. Estamos falando de um período de transição para as mudanças serem colocadas em prática em relação a nosso relacionamento futuro”, disse a premiê. 

De acordo com May, essa nova forma de relacionamento, no entanto, tem de ser “criativa” e “ambiciosa”. “Isso porque, como eu disse no discurso, começamos de uma posição sem precedentes. Queremos, então, uma forma diferente de parceria.” 

 

Segundo ela, “o que o governo está fazendo (com a proposta de transição) é assegurar a decisão da população de deixar a UE, mas queremos garantir que isso ocorra sem uma ruptura, com um período de transição. Vamos sair em março de 2019”, afirmou. . / COM AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.