Phil Noble/Reuters
Phil Noble/Reuters

Premiê britânico oferece nova promessa do Brexit para o Natal

Com o Reino Unido indo às urnas no dia 12 de dezembro, os conservadores do governo publicaram um manifesto eleitoral que prometeu mais gastos do setor público e nenhuma extensão à adiada saída da UE

Redação, O Estado de S.Paulo

24 de novembro de 2019 | 19h31

TELFORD, INGLATERRA - O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, prometeu neste domingo, 24, “concluir o Brexit” com seu Partido Conservador, fazendo uma promessa eleitoral para trazer seu acordo de retirada da União Europeia (UE) de volta para o Parlamento antes do Natal.

Com o Reino Unido indo às urnas no dia 12 de dezembro, os conservadores do governo publicaram um manifesto eleitoral que prometeu mais gastos do setor público e nenhuma extensão à adiada saída da UE.

O partido do governo também prometeu que não haverá a criação de mais impostos, ressaltando uma distinção com o oposicionista Partido Trabalhista, que prometeu elevar impostos sobre ricos e empresários para financiar uma expansão do Estado.

Mas o manifesto ofereceu poucos detalhes sobre outras áreas políticas, demonstrando a estratégia dos assessores para que Johnson jogue em território seguro após os planos sobre assistência social em 2017 acabarem com a vantagem de sua antecessora Theresa May nas pesquisas.

Para Entender

A cronologia do Brexit

Decisão de sair da União Europeia deixou os britânicos com a tarefa de conduzir o processo sem fazer um rompimento brusco; relembre

Johnson é o favorito para vencer as eleições, de acordo com pesquisas. “Vamos concluir o Brexit e aí veremos uma onda reprimida de investimentos adentrar esse país”, disse o primeiro-ministro, lançando o manifesto na cidade de Telford, na região central da Inglaterra. 

“Vamos fazer o Brexit e poderemos focar nossos corações e mentes nas prioridades do povo britânico." / REUTERS 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.