Premiê chinês diz que povo 'tem direito de criticar o governo'

Wen Jiabao disse, em chat com internautas, que chineses 'têm direito de saber o que o governo está fazendo'

EFE

28 de fevereiro de 2009 | 10h54

O primeiro-ministro da China, Wen Jiabao, afirmou hoje, num bate-papo virtual com internautas, que o povo "tem direito de criticar o Governo".   Wen, que só conseguiu responder a algumas das dezenas de milhares de perguntas que lhe foram enviadas, destacou que os chineses "têm direito de saber o que o Governo está fazendo e pensando, e a expressar sua crítica quanto à política governamental".   O primeiro-ministro respondeu a dúvidas dos internautas sobre a atual crise e as medidas de Pequim para superá-las. Além disso, falou das relações com o Governo dos Estados Unidos e do sapato com o qual um estudante alemão tentou acertá-lo durante uma recente visita à Universidade de Cambridge, no Reino Unido.   "A primeira coisa que me veio à mente", disse Wen sobre o incidente, "foi que deveria manter a dignidade nacional e como ser humano. E também manter a amizade entre China e Reino Unido", comentou a respeito.   Wen afirmou que se o incidente se repetisse, permaneceria imóvel, "mesmo se jogassem algo perigoso". A conversa do primeiro-ministro com os internautas, realizada na manhã deste sábado, foi mantida através dos portais do Governo (www.gov.cn) e da agência oficial de notícias, a "Xinhua" (www.xinhuanet.com).   Segundo informações, mais de 14 mil internautas enviaram perguntas a Wen Jiabao, que é muito popular entre os chineses. No ano passado, o presidente Hu Jintao também experimentou participar de um chat durante uma visita à redação do "Diário do Povo", mas, na ocasião, a conversa só durou quatro minutos e apenas três perguntas foram respondidas.

Tudo o que sabemos sobre:
chinacensurainternetcrítica

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.