Gurinder Osan/AP
Gurinder Osan/AP

Premiê da Índia pede a ativista que pare greve de fome

Após aparente rompimento nas tentativas de negociação, premiê pediu que Parlamento discuta caso

REUTERS

25 de agosto de 2011 | 12h09

NOVA DÉLHI - O primeiro-ministro indiano, Manmohan Singh, pediu na quinta-feira, 25, ao ativista Anna Hazare que suspenda a greve de fome com a qual reivindica leis mais duras contra a corrupção, e sugeriu que o Parlamento debata as propostas dele, após um aparente rompimento nas tentativas de negociação.

 

Hazare, de 74 anos, tem a simpatia de milhões de indianos, principalmente da emergente classe média local, cansada da rotina de corrupção e dos escândalos que assolam o governo.

 

Vários partidos se uniram para pedir a Hazare que interrompa seu jejum público, que já dura dez dias e atrai milhares de pessoas ao enlameado terreno onde ele se encontra, em Nova Délhi.

 

"Ele se tornou a encarnação do desgosto e da preocupação do nosso povo com o combate à corrupção", disse Singh ao Parlamento. "Eu o aplaudo, eu o saúdo. Sua vida é preciosa demais, e portanto gostaria de pedir a Anna Hazare que pare o seu jejum."

 

Mas Hazare mantém a greve de fome, apesar das críticas de que estaria chantageando um Parlamento legitimamente eleito.

 

O governo já ofereceu algumas concessões a Hazare no seu projeto de lei contra a corrupção, mas as negociações foram abandonadas sem avanços na quarta-feira.

 

Na quinta-feira, Singh propôs ao Parlamento que debata a proposta de Hazare, o projeto do governo e uma terceira versão, na busca por um consenso.

 

Desde o início do jejum, Hazare já perdeu sete quilos, e na quinta-feira estava em condições de falar à multidão. "Tenho certeza de que não vou morrer até termos uma lei Jan Lokpal (contra a corrupção) (...). Vou continuar lutando."

 

Caso a saúde do ativista se deteriore, o governo pode decidir alimentá-lo à força, mas existe o risco de que isso gere protestos ainda maiores.

 

A crise paralisa as decisões do governo e do Parlamento, e abala ainda mais a popularidade de Singh e do seu Partido do Congresso, em meio a um surto inflacionário e vários escândalos afetando o governo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.