Office of the Prime Minister of New Zealand via The New York Times
Office of the Prime Minister of New Zealand via The New York Times

Premiê da Nova Zelândia é a segunda mulher no cargo a dar à luz

Mesmo de licença maternidade ela disse que acompanhará as atividades do governo que ficarão a cargo do seu vice

O Estado de S.Paulo

21 de junho de 2018 | 17h25

A primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, deu à luz sua primeira filha nesta quinta-feira, 21, e tornou-se a segunda mulher chefe de governo a ter um bebê durante seu mandato. O nome da criança ainda não foi anunciado.        

Jacinda, de 37 anos, recupera-se em um hospital de Auckland após um parto que estava previsto para acontecer quatro dias atrás, ao lado da menina que nasceu com 3,31 kg. É a primeira filha de Jacinda e de seu marido, o jornalista Clarke Gayford, de 40 anos.       

Agora, ela tirará uma licença maternidade de seis semanas, e seu cargo será ocupado pelo seu vice, Winston Peters. No entanto, a primeira-ministra assegurou que acompanhará as atividades do governo mesmo durante sua ausência.

"Tenho certeza que estamos passando por todas as emoções pelas quais passam os pais de primeira viagem. Ao mesmo tempo nos sentimos tão agradecidos por toda a gentileza e bons desejos recebidos de tantas pessoas. Obrigada", afirmou a primeira-ministra em um comunicado.

A primeira-ministra, no entanto, minimizou o significado de ter um filho enquanto está no poder. "Muitas pessoas fazem malabarismos em suas vidas pessoais e privadas, e não sou alheia a isto. Muitas mulheres realizaram múltiplas tarefas antes de mim e eu quero reconhecer isto", afirmou ao anunciar a gravidez em janeiro.

Eleita em outubro, Jacinda também é a premiê neozelandesa mais jovem desde 1856. 

A primeira mulher a ficar grávida no período moderno enquanto chefe de governo foi Benazir Bhutto, no Paquistão, em 1990. Coincidentemente, a filha de Jacinda nasceu no mesmo dia do aniversário de Bhutto, que foi assassinada em 27 de dezembro de 2007. / Ansa e AFP 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.