Premiê da Tunísia reforçará estado de emergência

O primeiro-ministro da Tunísia, Beji Caid-Essebsi, está aprofundando o estado de emergência no país do Magreb, após a violência ter crescido nos últimos dias. Em um discurso na televisão, Caid-Essebsi disse que a Tunísia está enfrentando uma "crise" e que medidas do estado de emergência, como proibição de greves, serão reforçadas. O estado de emergência vigora desde a queda do governante Zine El Abidine Ben Ali, em janeiro, mas foram aplicadas sem rigor.

AE, Agência Estado

06 Setembro 2011 | 20h46

A Tunísia terá eleições gerais em 23 de outubro para a escolha de um novo Parlamento, o qual escreverá uma Constituição para o país. Apesar da queda do regime de Ben Ali, muitas cidades empobrecidas no sul e no centro da Tunísia continuam a registrar tumultos e episódios violentos. A polícia tem sido ocasionalmente atacada. Nas cidades de Sbeitla, Douz e Metlaoui, foi decretado o toque de recolher.

Apesar do anúncio, algumas centenas de policiais fizeram uma manifestação em Túnis, pedindo que as pessoas que atearam fogo a delegacias de polícia sejam levadas aos tribunais.

As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.