Premiê de Israel diz que investigação do TPI sobre crimes de guerra é absurda

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, disse neste sábado que a decisão do Tribunal Penal Internacional (TPI) de abrir uma investigação preliminar sobre possíveis crimes de guerra nos territórios palestinos é um "absurdo". Em um duro comunicado, ele afirma que o resultado final de decisão é colocar a democracia de Israel no "alvo", enquanto "os terroristas criminosos de guerra do Hamas" são os que apresentarão as acusações.

AE, Estadão Conteúdo

17 de janeiro de 2015 | 19h37

Irônico, Netanyahu afirmou que não ficaria surpreso se o Estado Islâmico, a Al-Qaeda e o Hezbollah também acusassem seus inimigos de crimes de guerra. "Os objetivos grandiosos do TPI estão sendo virados de ponta-cabeça", disse o premiê israelense, afirmando que os palestinos estão cinicamente manipulando o tribunal para negar a Israel o direito de se defender.

A promotoria do TPI lançou nesta sexta-feira uma investigação preliminar que pode averiguar alegações de crimes de guerra promovidos por Israel durante a incursão na Faixa de Gaza em julho e agosto do ano passado. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelpalestinosTPI

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.