Premiê de Kosovo seria chefe de organização criminosa

O primeiro-ministro de Kosovo, Hashim Thaçi, lidera um grupo mafioso albanês, responsável pelo contrabando de armas, tráfico de drogas e de órgãos humanos ao redor do Leste Europeu, de acordo com uma investigação do Conselho da Europa sobre o Crime Organizado, informou hoje a edição online do jornal britânico The Guardian.

AE, Agência Estado

14 de dezembro de 2010 | 20h35

Thaçi é identificado como "o chefe" da rede, que começou praticando extorsões durante a Guerra do Kosovo, em 1999, e cresceu em poder e em influência após conquistar poder político na ex-província da Sérvia, cujo status de país independente não é reconhecido pela maioria dos países.

O relato da investigação de dois anos, que cita o FBI, polícia federal norte-americana, além de outras fontes, foi obtido pelo Guardian. O relatório afirma que Thaçi, durante a última década, exerceu "controle violento" sobre o tráfico de heroína no Leste Europeu. Dick Marty, investigador de direitos humanos que conduziu o relatório, apresentará os documentos a diplomatas de 47 países na próxima quinta-feira, em Paris.

Figuras do círculo restrito de Thaçi também são acusadas de terem sequestrado pessoas e levado os cativos para a Albânia, após a guerra de 1999, onde elas teriam sido mortas e seus órgãos extraídos para a venda no mercado negro. A matéria do Guardian foi publicada hoje, mesmo dia em que começou uma a audiência judicial em Pristina sobre uma rede de tráfgãos humanos descoberta pela polícia em 2008. Com informações da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.