REUTERS/Francois Lenoir
REUTERS/Francois Lenoir

Premiê diz que Turquia não se desculpará por derrubar jato da Rússia

Ahmet Davutoglu afirmou que episódio tratou-se de defesa da soberania do país e disse esperar que Moscou reconsidere as sanções impostas contra o país, que 'vão contra mútuos interesses'

O Estado de S. Paulo

30 de novembro de 2015 | 14h42

BRUXELAS - O primeiro-ministro da Turquia, Ahmet Davutoglu, disse nesta segunda-feira, 30, esperar que Moscou reconsidere as sanções econômicas impostas ao seu país após a derrubada de um caça russo pela defesa turca na fronteira com a Síria, mas insistiu que o país não pedirá desculpas pelo incidente por considerá-lo um ato de "defesa própria".

"Pelas relações econômicas, esperamos que a Rússia reconsidere esta reação, estas medidas, que vão contra nossos mútuos interesses", declarou Davutoglu em entrevista depois de se reunir com o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, no quartel-general da Aliança em Bruxelas.

O primeiro-ministro turco afirmou que seu governo "não tem que pedir perdão" pela derrubada do avião, já que proteger seu espaço aéreo "não só é um direito, mas obrigação".

Em todo caso, Davutoglu disse que se a Rússia "quiser melhorar ou normalizar as relações em todos os sentidos", Ancara estará pronta. "Mas nenhum país pode nos fazer pedir desculpas por fazermos nosso trabalho."

Sobre as sanções impostas à Turquia em razão desta crise, Davotoglu indicou que "no passado estávamos todos contra sanções econômicas, o que mostra que a posição da Rússia agora não é consistente". "É contraditório que utilize a mesma medida contra a Turquia, já que criticou quando outros países fizeram o mesmo por causa da Ucrânia", disse, em referência às sanções econômicas impostas pelos Estados Unidos e pela União Europeia à Rússia por seu papel na crise separatista no leste ucraniano.

O primeiro-ministro turco afirmou também que "as relações econômicas tem como base os interesses mútuos e manterá a calma diante de qualquer nova medida, não aumentará a tensão, nem fará nada que possa ser visto de forma negativa pelo povo russo, que é amistoso com o povo turco".

Ele lembrou que "para muitos russos, a região turca turística de Antalya é seu segundo lar" e disse confiar que continuarão a fazer turismo ali. "Estamos dispostos a conversar, compartilhar tudo, discutir sobre nossas relações futuras, que são um trunfo para ambos os países. Mas nosso Exército fez seu trabalho quando protegeu nosso espaço aéreo", concluiu Davutoglu.

Ele insistiu que a derrubada do avião russo se tratou da defesa do espaço aéreo, que é "uma questão de segurança nacional mas, mais ainda, um assunto de dignidade".

Importações. A Rússia vai proibir a importação da maior parte de produtos agrícolas, legumes e frutas da Turquia, e pode ampliar as sanções se necessário, disseram autoridades russas em uma reunião do governo nesta segunda-feira.

Moscou pode adiar a implantação das restrições à importação de alimentos da Turquia por várias semanas para aliviar a pressão inflacionária da medida, disse o vice-premiê Arkady Dvorkovich. / EFE, AFP e REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.