Premiê do Egito diz que austeridade é necessária para economia

O primeiro-ministro disse aos egípcios neste domingo que a situação econômica do país era pior que qualquer um havia imaginado, e que medidas de austeridade seriam necessárias para frear um crescente déficit orçamentário.

REUTERS

11 de dezembro de 2011 | 14h48

Kamal al-Ganzouri, de 78 anos, também disse, em coletiva de imprensa transmitida ao vivo na televisão estatal, que o restabelecimento da segurança seria uma prioridade para o "governo de salvação nacional" que ele lançou na semana passada.

"A situação econômica é pior que qualquer um imagina", afirmou. Segundo ele, o problema era decorrente das falhas nas políticas adotadas pelo governo do presidente deposto Hosni Mubarak nas últimas décadas.

Ganzouri disse que o governo não aceitaria receber uma ajuda de 3,2 bilhões de dólares do Fundo Monetário Internacional (FMI) até que a previsão para o orçamento estivesse mais clara.

"Se formos obrigados a recorrer ao FMI, faremos isso. É uma questão que está aberta para a discussão", afirmou, reiterando comentários feitos por um general do conselho militar que atualmente governa o país. O coronel havia dito que o Egito pediria ajuda ao FMI apenas em uma situação de "necessidade extrema."

O Egito negociou a assistência financeira com o FMI neste ano, mas recusou a ajuda em meados do ano. Desde então, sua postura diante da possibilidade se mostrou incerta.

"Para reduzir os gastos em 20 bilhões (de libras egípcias) é necessário que haja austeridade, mas nos setores que achamos não irão afetar o cidadão egípcio. Eu quero reduzir (esse déficit orçamentário), porque se o déficit continuar como está, haverá inflação", afirmou.

A forte alta nos preços estava entre os fatores políticos e econômicos que levaram a população às ruas para derrubar Mubarak, e os preços têm aumentado novamente.

O índice de inflação para o consumidor urbano atingiu 9,1 por cento em novembro, em comparação aos 7,1 por cento em outubro.

(Reportagem de Dina Zayed e Patrick Werr)

Tudo o que sabemos sobre:
EGITOPREMIEAUSTERIDADE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.