Premiê do Haiti diz que ainda há 700 mil desabrigados por terremoto

Segundo Max Bellerive, reconstrução de país assolado por tremor 'segue lenta, mas segura'

Efe,

26 de agosto de 2010 | 19h17

Pessoas caminham por escombros do terremoto de janeiro em Porto Príncipe

 

SANTO DOMINGO- Cerca de 700 mil pessoas permanecem nas ruas do Haiti sete meses depois do terremoto que destruiu parte do país em 12 de janeiro, disse nesta quinta-feira, 26, o primeiro-ministro haitiano, Jean Max Bellerive.

 

O terremoto deixou 300 mil mortos, o mesmo número de feridos e mais de um milhão de desabrigados.

 

Segundo Bellerive, que esteve hoje na República Dominicana para o lançamento de um fundo de investimento privado para o Haiti, quase 300 mil pessoas foram retiradas das ruas, "um trabalho enorme".

 

Há 700 mil pessoas às quais é preciso dar "água, comida e tudo diariamente", disse o primeiro-ministro.

 

"As pessoas pensam que as coisas não caminham", opinou Bellerive, para quem o processo de recuperação caminha de maneira "clara e segura" e a reconstrução do Haiti "segue lenta, mas segura".

 

Bellerive lembrou que na última reunião da Comissão Interina pela Reconstrução do Haiti (CIRH), que dirige junto com o ex-presidente americano Bill Clinton, foram apresentados projetos de US$ 1,6 bilhão, o que representa o compromisso da comunidade internacional com o Haiti.

 

Do total apresentado, US$ 904 milhões já foram "localizados" para financiar projetos específicos apresentados pelo governo haitiano, apontou Bellerive.

 

"Esses projetos foram identificados, temos os orçamentos e sabemos quem vai financiar", declarou.

 

"Estou convencido de que a promessa de ajudar o Haiti vai ser cumprida ", disse Bellerive.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.