Premiê do Japão apela pela ativação de dois reatores

O primeiro-ministro do Japão, Yoshihiko Noda, apelou nesta sexta-feira para o país aceitar que dois reatores nucleares que permanecem desligados após o desastre de Fukushima sejam reativados, a fim de proteger a economia da nação e o modo de vida das pessoas.

AE, Agência Estado

08 de junho de 2012 | 11h54

Noda disse que o governo tomou medidas de segurança suficientes para assegurar que os dois reatores no oeste do Japão não vazem radiação caso um terremoto ou um tsunami tão severo quanto ao do ano passado ocorra.

Todos os 50 viáveis reatores do Japão estão desligados para manutenção e medidas de segurança desde que o terremoto de magnitude 9,0 e subsequente tsunami, em 11 de março de 2011, atingiu a instalação em Fukushima e causou o segundo pior desastre nuclear já registrado. Os reatores na instalação nuclear de Ohi são os dois primeiros a estarem pronto para a reativação da energia, mas a população tem mostrado grande preocupação com isso.

A energia nuclear é crucial para a sociedade japonesa, disse Noda, em uma entrevista à imprensa ao vivo. O governo quer que os reatores estejam operantes antes de uma crise de energia durante o verão. "Deveríamos religar os reatores número 3 e 4 para proteger o modo de vida das pessoas", disse Noda. "A sociedade japonesa não pode sobreviver se nós desligarmos todos os reatores nucleares ou mantê-los suspensos." As informações são da Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
Japãonuclearreatores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.