Premiê do Japão promete país mais forte após desastres de 2011

O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, prometeu nesta segunda-feira acelerar a reconstrução dos danos causados por um terremoto, um tsunami e uma crise nuclear de dois anos atrás, e afirmou que o país emergirá mais forte do seu pior desastre desde a 2a Guerra Mundial.

LINDA SIEG E KIYOSHI TAKENAKA, Reuters

11 de março de 2013 | 09h20

Às 14h46 (hora local) de 11 de março de 2011, um terremoto de magnitude 9,0 atingiu o nordeste do Japão, causando um tsunami com ondas de até 30 metros de altura que varreu moradores e suas casas. A usina nuclear de Fukushima ficou parcialmente destruída, com vazamento de radiação. Quase 19 mil pessoas morreram e cerca de 315 mil ficaram desabrigadas.

A tripla calamidade chocou uma nação que se considerava preparada para desastres e que considerava a energia nuclear, responsável na época por 30 por cento da oferta energética do país, era limpa, segura e barata.

Uma comissão de especialistas nomeados pelo Parlamento para investigar a crise nuclear descreveu-a como um desastre de causa humana, resultante do "conluio" entre governo, agências reguladoras e a empresa dona da usina.

"Nossos ancestrais superaram muitas dificuldades, e a cada vez emergiram mais forte", disse Abe, de 58 anos, durante uma cerimônia em Tóquio, com a presença do imperador Akihito e da imperatriz Michiko.

"Prometemos novamente aprender com elas e avançar, dando as mãos uns aos outros", acrescentou Abe, um conservador que tomou posse em dezembro prometendo restaurar o crescimento econômico e o orgulho nacional.

Abe antes havia aparecido num anúncio publicado em jornais em inglês, exaltando as virtudes do "Novo Japão" dois anos depois da tragédia.

Mas a reconstrução do nordeste japonês ainda é irregular, e quase 300 mil pessoas continuam em moradias improvisadas.

"Estamos numa encruzilhada de ter de decidir como vamos viver e quais ações devemos tomar", disse o comerciante de automóveis Sakari Minato, de 49 anos, na cidade de Yamada. Ele continua morando em uma casa danificada pelo tsunami.

"Em Tóquio, a economia pode estar melhorando, conforme as bolsas sobem, mas demora para que o efeito se permeie até a periferia."

A usina de Fukushima Daiichi já está estabilizada, mas a desmontagem dos reatores danificados levará décadas e custará bilhões de dólares. Muitos dos 160 mil moradores que fugiram dos arredores jamais poderão voltar.

Esse foi o pior acidente nuclear do mundo desde a explosão da usina ucraniana de Chernobyl, em 1986. Um estudo da Organização Mundial da Saúde no mês passado mostrou que as pessoas nas áreas mais atingidas têm risco agravado para certos tipos de câncer, mas que para a população japonesa como um todo os riscos para a saúde são baixos.

O premiê disse numa entrevista coletiva que vai acelerar a reconstrução de áreas devastadas. "A reconstrução é uma batalha contra o tempo", disse ele. "O governo Abe vai promover uma reconstrução que as pessoas possam realmente sentir, implementando (medidas) uma a uma."

(Reportagem adicional de Yoko Kubota e Kaori Kaneko)

Tudo o que sabemos sobre:
JAPAOANIVERSARIOABE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.