Premiê do Japão quer coalizão contra crise nuclear

O primeiro-ministro do Japão, Naoto Kan, pretende sondar o Partido Liberal Democrata e outros partidos da oposição sobre uma união ao gabinete de governo para formar uma grande coalizão e lidar com a crise nuclear e com as consequências do terremoto da semana passada. A informação é da edição de sábado do jornal japonês Nikkei.

DANIELLE CHAVES, Agência Estado

18 de março de 2011 | 15h30

Kan vai se reunir com Yukio Hatoyama, Ichiro Ozawa e Seiji Maehara - todos antigos líderes do partido governista, o Partido Democrático do Japão - para buscar um entendimento com relação a um pedido de união com a oposição. Em entrevista à imprensa hoje, Kan afirmou que as discussões entre o governo e a oposição estão em andamento.

Mais cedo, em uma reunião do comitê do partido para resposta ao terremoto, o secretário-geral do Partido Democrático do Japão, Katsuya Okada, propôs a ampliação do gabinete dos atuais 17 ministros para até 20. Em princípio, os legisladores da oposição presentes na reunião concordaram com a ideia. A ampliação, que exigiria uma nova legislação, permitiria a criação de um ou mais cargos responsáveis pelos esforços de recuperação após o desastre natural.

Kan pretende escolher os novos ministros dentro da oposição, com o objetivo de formar um front unido para áreas destruídas e para lidar com a crise na usina nuclear de Daiichi, em Fukushima.

Depois do terremoto, a oposição japonesa declarou um cessar-fogo político. Ainda assim, a divisão entre a Câmara Alta do parlamento, controlada pela oposição, e a Câmara Baixa, dominada pelo Partido Democrático do Japão, atrapalha a tomada de decisões rápidas sobre gastos adicionais e leis especiais necessárias para a recuperação do país. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.