Premiê do Japão quer diálogo com Irã

O primeiro-ministro do Japão, Yoshihiko Noda, afirmou que seu país prosseguirá dialogando com o Irã, apesar da crescente pressão para que adote sanções propostas pelos EUA e pela Europa. Segundo Noda, os laços com o Irã vão além da importação de petróleo.

GABRIEL BUENO, Agência Estado

14 de janeiro de 2012 | 10h13

"Nossa relação com o Irã não é apenas sobre a importação de petróleo, mas há um sentido mais amplo de proximidade", afirmou Noda, falando à TV japonesa. "Há muito mais que o Japão pode fazer em termos de diálogo. O caso iraniano pode evoluir para uma situação grave, então trabalharemos em esforços diplomáticos para evitar isso", disse ele, acrescentando que o Japão compartilha os temores internacionais em relação ao programa nuclear do país persa.

Potências lideradas pelos EUA afirmam que o Irã busca secretamente armas nucleares, o que Teerã nega, alegando ter apenas fins pacíficos, como a produção de energia.

O Irã exporta petróleo para o Japão. Nos últimos dias, os EUA têm recomendado a Tóquio para que reduza essas compras, como forma de pressionar o Irã e seu programa nuclear. O Irá é o quarto maior importador de petróleo para o Japão, representando 10% do total dessas importações em 2010. Na sexta-feira, Noda disse que essa decisão sobre sancionar o petróleo iraniano será tomada após conversas com autoridades norte-americanas. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
JapãoIrãpetróleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.