Premiê do Japão sofre revés após renúncia de duas ministras

Duas ministras japonesas renunciaram nesta segunda-feira, impondo ao primeiro-ministro Shinzo Abe seu maior revés desde que tomou posse em dezembro de 2012.

LINDA SIEG, REUTERS

20 de outubro de 2014 | 07h21

A renúncia das duas mulheres, incluindo a ministra da Indústria e Comércio, um dos postos principais no gabinete, poderia complicar decisões difíceis sobre algumas políticas em estudo, incluindo a possibilidade de o governo levar adiante um plano impopular para elevar o imposto sobre vendas e a retomada das operações de alguns dos reatores nucleares do país, suspensas depois do desastre de Fukushima em 2011.

Abe espera conter os danos substituindo rapidamente as duas, mas a oposição vem criticando outros ministros potencialmente vulneráveis ??também nomeados em uma remodelação de gabinete no início de setembro.

A ministra da Indústria e Comércio, Yuko Obuchi, 40, filha de um ex-primeiro-ministro e apontada como forte candidata no futuro a se tornar a primeira mulher na chefia do governo no Japão, apresentou sua renúncia depois de alegações de que seus grupos de apoio utilizaram indevidamente fundos políticos.

Poucas horas depois, a ministra da Justiça, Midori Matsushima, também renunciou. O oposicionista Partido Democrata tinha apresentado uma queixa criminal contra Matsushima, acusando-a de violar a lei eleitoral com a distribuição de leques para os eleitores.

Obuchi e Matsushima eram duas das cinco mulheres nomeadas por Abe na remodelação do gabinete, um movimento destinado a aumentar a sua popularidade e mostrar seu compromisso com a promoção das mulheres como parte de sua estratégia para reativar a economia.

Tudo o que sabemos sobre:
JAPAOMINISTROSRENUNCIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.