Premiê do Líbano sinaliza que pode renunciar após protestos

O primeiro-ministro do Líbano, Tammam Salam, sinalizou que pode renunciar após violentos protestos contra o governo. O dirigente disse em uma entrevista coletiva que as forças de segurança que usaram força contra os manifestantes serão responsabilizadas e que o direito de manifestação é protegido pela Constituição.

AE, Estadão Conteúdo

23 de agosto de 2015 | 09h09

Salam afirmou aos manifestantes que está pronto para ter um diálogo, enquanto cerca de 100 ativistas pediam sua renúncia. Os comentários de Salam no domingo aconteceram um dia após a polícia disparar gás lacrimogêneo, balas de borracha e canhões de água contra ativistas no centro de Beirute. Os confrontos feriram dezenas de pessoas.

Salam afirmou que se a reunião do gabinete da próxima quinta-feira não for produtiva, "então, não há necessidade de um Conselho de Ministros". Os protestos tem ocorrido por conta da incapacidade do governo em resolver o problema do lixo doméstico no país, que se acumula nas ruas há semanas. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
LíbanoCrise

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.