Premiê e presidente da Costa do Marfim fecham acordo de paz

Líderes queimam armas para simbolizar fim de conflito e acordo entre governo e rebeldes após cinco anos

30 Julho 2007 | 17h49

O presidente e o primeiro-ministro da Costa do Marfim ordenaram a incineração de armas estocadas para simbolizar o fim do conflito de cinco anos que o país vivia, segundo a BBC.   Foi a primeira vez que o presidente, Laurent Gbagbo, foi ao norte do país, controlado por rebeldes desde 2002 - ano em que um levante contra ele dividiu os marfinenses. "População da Costa do Marfim, a guerra acabou", disse ele na região de Bouake.   Gbagbo assinou um acordo de paz em março com o ex-líder rebelde Guillaume Soro, que mais tarde seria nomeado primeiro-ministro.   Como parte do trato, eles concordaram em realizar as eleições, que repetidamente foram canceladas, no começo de 2008.   "Estamos nos preparando para as eleições. Devemos nos mexer rapidamente para elas", disse Gbagbo em Bouake, a fortaleza das novas forças do movimento de Soro.

Mais conteúdo sobre:
Costa do MarfimAcordo de Paz

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.