Mohamed El Dakhakhny/AP
Mohamed El Dakhakhny/AP

Premiê eleito pela junta militar aceita formar governo civil no Egito

Nomeação de Kamal al-Ganzouri pretende acalmar os protestos que continuam por todo país

BBC Brasil, BBC

25 de novembro de 2011 | 10h00

CAIRO - O recém nomeado primeiro-ministro do Egito, Kalam al-Ganzouri, concordou em formar um novo governo civil, após discussões com a junta militar que governa o país, informou nesta sexta-feira, 25, à imprensa estatal egípcia.

 

Veja também:

especialInfográfico:  A revolução que abalou o mundo árabe

video TV Estadão: Manifestantes falam sobre eleições

mais imagens GALERIA: Enfretamentos no centro do Cairo

documento Artigo: Entre Teerã de 1979 e Berlim de 1989

blog Radar Global: Personagens, curiosidades e análises da crise

A medida tem como objetivo tentar acalmar os manifestantes que pedem o fim do regime militar.

Ganzouri foi primeiro-ministro do Egito entre 1996 e 1999. Sua oposição ao agora presidente deposto do Egito, Hosni Mubarak, rendeu-lhe a demissão e uma prisão domiciliar.

Entretanto, alguns analistas acreditam que o indicado, um político de 78 anos e uma longa carreira na política do país, não vá agradar à juventude, que forma o grosso dos protestos nas ruas.

Novas manifestações já foram convocadas para depois das preces de sexta-feira e observadores temem que este seja um dos dias mais violentos desde que os protestos foram retomados na semana passada.

Cerca de 40 pessoas já foram mortas nos confrontos desde o dia 19 de setembro e centenas são atendidas diariamente nos hospitais da capital egípcia.

Dezenas de milhares de pessoas já se aglomeram na praça Tahrir, para onde jovens com bastões e o que parecem ser coquetéis molotov foram vistos se dirigindo.

O ex-candidato à Presidência e vencedor do prêmio Nobel Mohamed El Baradei também participa dos protestos.

A turbulência ocorre a três do início das eleições parlamentares marcadas para a segunda-feira.

A junta militar que governa o país pediu desculpas pelos mortos nos conflitos, mas rejeitou pedidos de adiar o pleito.

 

BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.