Dominique Faget/AFP
Dominique Faget/AFP

Premiê grego indica candidato do governo à presidência

Um dos líderes do Partido Nova Democracia do primeiro-ministro Antonis Samaras, Dimas já foi ministro de Relações Exteriores 

Estadão Conteúdo

09 de dezembro de 2014 | 11h05

O ex-comissário da União Europeia (UE) para o Meio Ambiente Stavros Dimas será o candidato do governo para concorrer à presidência da Grécia, anunciou nesta terça-feira, 9, o primeiro-ministro, Antonis Samaras.

Dimas, de 73 anos, é um líder do Partido Nova Democracia. Ele já ocupou vários cargos ministeriais, entre os quais um período como ministro de Relações Exteriores. Além disso, foi comissário do bloco para Meio Ambiente entre 2004 e 2009.

Dimas estudou Direito e Economia na Universidade de Atenas e fez mestrado na Universidade de Nova York. "Ele é geralmente visto como uma pessoa que une, mas também inspira", disse Samaras, em declaração transmitida pela televisão.

Na segunda-feira, o governo grego anunciou que vai antecipar a votação parlamentar para presidente, já que busca encerrar as incertezas políticas do país e orientar o destino de seu programa de resgate.

Uma porta-voz do governo disse na segunda-feira que o Parlamento vai escolher um novo presidente em 17 de dezembro, dois meses antes do previsto. O candidato vencedor vai substituir Karolos Papoulias na chefia do Estado, cujo mandato de cinco anos termina no fim de março.

O anúncio foi feito horas depois de ministro de Finanças da zona do euro terem decidido estender as negociações sobre o programa de resgate grego para o início do ano que vem.

Pela Constituição da Grécia, o chefe de Estado, uma posição cerimonial, deve ser eleito por pelo menos 200 votos, ou dois terços do Parlamento. Se nenhum candidato conquistar esse número no dia 17 de dezembro, uma outra rodada será realizada em 22 do mesmo mês, quando também são necessários 200 votos para conquistar o cargo. Um terceiro turno pode ser realizado caso o resultado não seja alcançado, mas desta vez o candidato precisa de 180 votos.

O governo pode mudar seu candidato durante o processo, mas Samaras disse que Dimas será o candidato durante todo o processo. / Dow Jones Newswires.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.