REUTERS
REUTERS

Premiê iraquiano anuncia libertação de um dos últimos redutos do Estado Islâmico

Ofensiva de reconquista começou no dia 19 de setembro; forças do Iraque continuam seus combates no deserto próximo à fronteira com a Síria

O Estado de S.Paulo

05 Outubro 2017 | 08h23

BAGDÁ - O primeiro-ministro do Iraque, Haider al-Abadi, anunciou nesta quinta-feira, 5, a libertação de Hawija, um dos dois últimos redutos do grupo jihadista Estado Islâmico (EI) no Iraque.

+ Tática de assumir autoria de ataques levanta dúvidas sobre atual poder do EI

"Anuncio a libertação da cidade de Hawija", afirmou Abadi em Paris, onde se reuniu com o presidente francês, Emmanuel Macron. "Só falta reconquistar a faixa de fronteira.”

+ Mensagem atribuída ao líder do EI pede mobilização após derrotas

As forças iraquianas já haviam anunciado a retomada do controle de Hawija e prosseguiam em seu "avanço" para libertar a região.

As unidades do Exército e da polícia, assim como as forças paramilitares de Hashd Al-Shaabi, "libertaram o centro de Hawija em sua totalidade e continuam seu avanço", informou em um comunicado o general Amir Yarallah, que coordena as operações.

A vitória na batalha por Hawija, iniciada no dia 21 de setembro, ocorre ao mesmo tempo em que as forças iraquianas continuam seus combates em outra frente, no deserto próximo da fronteira com a Síria.

Nessa região, os extremistas controlam duas localidades: Rawa e Al-Qaim, do outro lado da Província de Deir es-Zor, na Síria. No dia 19 de setembro, as forças iraquianas iniciaram uma ofensiva para reconquistar ambas as áreas.

Hawija, a 230 km de Bagdá, é uma cidade sunita de mais de 70 mil habitantes que recebeu o apelido de "Kandahar do Iraque" pela presença de combatentes extremistas e em referência ao reduto dos taleban no Afeganistão.

A cidade é uma das últimas grandes localidades do Iraque sob controle do EI, depois que os extremistas foram expulsos nos últimos meses de grande parte dos territórios que dominavam desde 2014. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.