Premiê iraquiano pede que sunitas deixem o Estado Islâmico

Na iminência de lançar uma ofensiva para tentar retomar a cidade natal do ex-ditador Saddam Hussein das mãos de extremistas, o primeiro-ministro do Iraque pediu neste domingo que combatentes sunitas deixem o grupo Estado Islâmico. Haider al-Abadi ofereceu o que chamou de "última chance" para que guerreiros tribais iraquianos, prometendo a eles o perdão.

Estadão Conteúdo

01 Março 2015 | 19h25

Haider al-Abadi não deu sinais de quando deve dar início ao ataque na cidade de Tikrit, cerca de 130 quilômetros ao norte da capital Bagdá. Milícias rebeldes e forças de segurança do Iraque já cercam o município e a imprensa estatal regional anuncia que a o município "logo voltará às mãos de seu povo".

"Eu chamo aqueles que foram enganados ou cometeram um erro para que abaixem suas armas e se unam ao povo e às forças de segurança para liberar suas cidades", disse. Segundo o gabinete do premiê, ele viajou à cidade de Samarra para "supervisionar a operação para libertar Tikrit das gangues terroristas".

Segundo Al-Abadi, a operação vai contar com tropas atacando de várias direções, mas ele se recusou a anunciar uma hora exata para o início da ofensiva. Sua presença em Samarra, no entanto, indica que o ataque deve começar logo. Fonte: Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
Iraque Estado Islâmico ofensiva

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.