Premiê iraquiano promete eliminar militantes sunitas

Ele também elogiou as forças de segurança que alcançaram uma rara vitória sobre os insurgentes ao encerrar o cerco à cidade, habitada por xiitas

Estadão Conteúdo

01 de setembro de 2014 | 16h32

O primeiro-ministro do Iraque, Nouri al-Maliki, fez uma visita surpresa nesta segunda-feira a cidade de Amirli e prometeu transformar o país num "grande túmulo" para os militantes sunitas do grupo Estado Islâmico. Ele também elogiou as forças de segurança que alcançaram uma rara vitória sobre os insurgentes ao encerrar o cerco à cidade, habitada por xiitas.

Um dia antes, forças iraquianas, apoiadas por milícias xiitas e ataques aéreos norte-americanos romperam o cerco de dois meses à cidade, de onde cerca de 15 mil xiitas turcomenos não podiam sair.

Em imagens divulgadas pela televisão estatal, Maliki é visto numa mesa de madeira em frente a um grande pôster do grande aiatolá Ali al-Sistsani, ordenando promoções e prêmios para aqueles que lutaram na batalha.

"Eu saúdo vocês pela firmeza e paciência contra aqueles animais e assassinos", disse ele durante uma reunião de combatentes num grande salão, enquanto os presentes gritavam palavras de ordem xiitas. Ele prometeu eliminar os militantes sunitas das áreas que eles atualmente controlam. "Todo o Iraque será um túmulo para aqueles infieis e vamos mandar a gangue do Estado Islâmico para a morte", acrescentou.

Também nesta segunda-feira, as forças iraquianas e milicianos xiitas retomaram a cidade de Suleiman Beg, próxima a Amirli, após violentos confrontos com militantes sunitas, afirmou o legislador xiita turcomeno Fawzi Akram al-Tarzi.

"O corajoso povo de Amirli transformou sua cidade numa nova Stalingrado", afirmou Al-Tarzi, numa referência ao antigo nome da cidade russa de Volvogrado, famosa pela resistência ao cerco do Exército alemão durante a Segunda Guerra Mundial. "O povo de Amirli demonstrou claramente que os iraquianos não podem se intimidados pelos terroristas." Fonte: Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.