Premiê italiano debate austeridade com líderes

O primeiro-ministro da Itália, Mario Monti, apresentou hoje para os líderes dos principais partidos políticos do país um pacote de medidas de austeridade e ações para impulsionar o crescimento que ele deve divulgar oficialmente na segunda-feira.

AE, Agência Estado

03 de dezembro de 2011 | 14h10

Os políticos que participaram do encontro deram poucos detalhes sobre as medidas propostas por Monti, mas disseram que o plano é "severo", apesar de necessário, pois a Itália já adiou as reformas econômicas por muito tempo. "Sejamos claros: os médicos raramente prescrevem um remédio de gosto bom. O remédio é sempre amargo, mas às vezes é necessário para evitar que o paciente morra", comentou Pierferdinando Casini, líder do pequeno mas influente Partido Democrata Cristão.

Monti não deu detalhes de seu plano ainda, mas disse que vai ser socialmente justo e que vai se focar naqueles que ainda não deram sua contribuição. Políticos, sindicatos e líderes empresariais têm dito que o pacote provavelmente incluirá a reintrodução de um imposto sobre imóveis, a elevação nas taxas dos impostos sobre vendas e de renda, e o aumento no tempo mínimo de trabalho necessário para aposentadoria, que atualmente é de 40 anos.

As medidas apresentadas por Monti devem ser aprovadas pelo gabinete de governo na segunda-feira, e no mesmo dia o premiê deve encaminhá-las para o Parlamento, onde o Senado já se comprometeu a votar o projeto antes do Natal. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Itáliapremiêdebateauteridade

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.