Premiê japonês deve trocar 2o homem na hierarquia governamental

O primeiro-ministro japonês, Naoto Kan, está prestes a substituir o segundo homem na hierarquia do governo, disse o jornal Asahi nesta quarta-feira. A medida visa abrir caminho para o debate do orçamento do período 2011/2012 em um Parlamento dividido.

KIYOSHI TAKENAKA, REUTERS

12 de janeiro de 2011 | 09h11

Pressionado pelos partidos de oposição a substituir o secretário-chefe de gabinete, Yoshito Sengoku, Kan também tem sido criticado por parlamentares de seu próprio partido. Eles estão preocupados que o baixo índice de aprovação do governo tenha reflexos nos resultados das eleições locais marcadas para abril.

Embora Sengoku seja um dos principais aliados do premiê, sua presença tem bloqueado o início da sessão parlamentar neste mês, que inclui a discussão de uma reforma tributária defendida por Kan.

Os dois maiores partidos de oposição, o Partido Liberal Democrático e o Novo Komeito, têm dito que boicotarão os trabalhos do Parlamento se Sengoku e um outro colega de governo mantiverem seus cargos.

A câmara alta do Parlamento aprovaram em novembro moções de censura, que não são de cumprimento obrigatório mas causam constrangimentos, contra Sengoku e contra o ministro dos Transportes, Sumio Mabuchi, por conta da maneira que ambos lidaram com uma disputa territorial com a China.

O partido de Kan, o governista porém impopular Partido Democrático do Japão (PDJ), pode aprovar o orçamento porque controla a mais poderosa câmara baixa. Mas a oposição, que controla a câmara alta, pode bloquear leis para implementá-lo.

Analistas avaliam que a saída de Sengoku pode enfraquecer ainda mais um governo que luta contra um desempenho econômico fraco e um déficit público duas vezes maior do que a economia do país, que é de 5 trilhões de dólares.

(Reportagem adicional de Chisa Fujioka e Yoko Kubota)

Tudo o que sabemos sobre:
JAPAONUMERODOISTROCA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.